quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Gnomos


As lendas dizem que são pequenos anões, um gnomo ou duende pode variar de 3 a 30 cm de altura. O comportamento varia em geral baseiam em atitudes humanas por estarem próximos aos homens. Esta aproximação sempre é favorecida quando o ser humano está mais frágil e sensível. Os Gnomos são os guardiões dos minerais, com capacidade até de transformar rocha em cristal. Os Duendes são ligados à Terra e geralmente conseguem controlar imprevistos da natureza. Tanto Gnomos como Duendes vivem vários anos, cerca de cem anos e chegam a constituir famílias. Adoram comer e fazer brincadeiras tais como esconder objectos. Alguns possuem orelhas grandes e pontudas e grande quantidade de pêlos no corpo. Quando confiam nos homens se tornam fiéis e grandes protectores.
Morag - Gnomo do Amor
Gnoa - Gnomida da Criatividade
Magnodun - Duende da Magia
Tende - Duende da Sorte
Sagmo - Gnomo da Casa
Gobe - Gnomo da Sabedoria
Dunaz - Duende da Natureza
Moveg - Gnomo dos Vegetais
Migsa - Gnomida Professora
Dulei - Duende da Alegria
Duendo - Duende da União

Conhecidos pelos seus poderosos encantamentos e grande habilidade de lidar com cristais energéticos, os gnomos fizeram uma fama pelo sua grande inconfiabilidade e sua extrema capacidade de atiçar a curiosidade das pessoas contando histórias de locais inexplorados, cheios de ouro. A sociedade dos gnomos, é cheia de regras aparentemente inúteis, mas muito importantes na vida do gnomo. Entretanto são bons lapidadores, e a maioria das jóias mágicas que você irá encontrar em suas jornadas serão de fabricação gnômica. Caso você encontre uma destas jóias a venda, não hesite em comprá-la. Qualquer jóia encantada por um gnomo vale a pena possuir. Entretanto, infelizmente, elas não serão baratas... Direi que existe uma crença errada sobre os gnomos, mesmo naqueles que acreditam em sua existência, pois, sabemos que o acreditar ou não, em seres que não pertençam à nossa espécie, está dentro do livre arbítrio do homem. Os que acreditam nos gnomos estão errados quando os supõem seres da natureza, como os elementais que são invisíveis embora possam se materializar.
"Adoram frutas, mas naturalmente, em seu sentido de humor que se faz notar em cada uma de suas afirmações, - para comer um melão ou uma melancia, teríamos que nos meter dentro -. E eu pensei no que diriam se conhecessem o tamanho de uma jaca. O morango, a cereja, a groselha e a amora silvestre são suas frutas preferidas. E não as comem como sobremesa e sim, começam com elas as refeições, assim como em alguns países da América Latina, Colômbia entre eles, se começa a refeição com salada de frutas. Trata-se de um processo digestivo. ..."E a sopa" - disse-me Osanaim, o gnomo que me deu a iniciação e que foi meu mestre no tempo em que estive no laboratório alquímico dos gnomos - "é sempre nosso último prato". " Eles são criaturas da noite, de carne e osso e vivem na terra ha milhares de anos. São originários da Escandinávia e podem der chamados de Kuba-Walda, que significa "espírito da casa", a tempos atrás eles viviam naturalmente com os homens, naquela época as águas eram limpas, as matas intocadas, as florestas levavam de um lugar a outro na mais completa paz e no céu só haviam estrelas e pássaros. Hoje os gnomos caíram no esquecimento, são obrigados a se esconderem nas florestas, nos abrigos subterrâneos e locais de difícil acesso. Os gnomos calculam sua idades pelo tamanho do carvalho ou outro tipo de arvore plantada no dia de seu nascimento, caso cortada, ficam bastante aborrecidos, mas persistentes, plantam outra e recomeçam a contar a idade. São mais perceptivos que o homem, e dotados de percepção extra-sensorial, se adaptam a qualquer clima, ha milhares de anos dominam a técnica da acupuntura, e a utilizam para tratar animais feridos Os chapéus são proteção indispensável contra aves a animais, eles os recebem ainda bebês, e só abrem mão dele em ultimo caso, suas vestimentas tem cores próprias para a camuflagem, os homens usam chapéus pontudos vermelhos, as mulheres casadas verde-escuro e as solteiras verde- claro. Casamento Os gnomos casam com cem anos e depois da lua de mel os noivos apresentam seus respeitos ao rei e rainha eleitos pelo povo, depois de uma gestação de 12 meses, nasce apenas um par de gêmeos, para demonstrar afeto eles esfregam carinhosamente os narizes.

Os Gnomos são seres quase esquecidos. Uma vez que trabalham na floresta durante à noite e algumas vezes nas casas dos humanos.A palavra Gnomo é derivada de KUBA-WALDA,que em alemão antigo quer dizer"administrador da casa", ou mesmo "espírito da casa". Antigamente eram vistos e aceitos pela sociedade , mas isso aconteceu numa época em que as águas eram límpidas e as matas todas virgens.Depois disso , tudo mudou, e os gnomos foram obrigados a se retirarem da sociedade , indo para os esconderijos nas florestas, muitas vezes subterrâneos e de acesso tão difícil que desde então a crença neles tem decrescido.Entretanto, mesmo sem vê-los sabemos que existem lindos coelhos nas campinas e que os alces habitam os bosques.Assim é o com os Gnomos: você pode não vê-los, mas eles estão lá.
Curiosidades
- ALTURA = variada;
- IDIOMA = têm sua própria linguagem;
- DEMONSTRAÇÕES DE AFETO = esfregam o nariz;
- TATO = possuem nos dedos a mesma sensibilidade das pessoas cegas;
- AUDIÇÃO= muito mais aguçada;
- ESPÉCIES DE GNOMOS= Gnomo da Floresta, Gnomo do Deserto, Gnomo do Jardim, Gnomo Doméstico, Gnomo da Fazenda, Gnomo Siberiano.

Seres animados de florestas e campos silvestres. Conhecidos pelos seus poderosos encantamentos e grande habilidade de lidar com cristais energéticos, os gnomos fizeram uma fama pelo sua grande inconfiabilidade e sua extrema capacidade de atiçar a curiosidade das pessoas contando histórias de locais inexplorados, cheios de ouro. É interessante a história que contam sobre o Reino Mágico, situado a oeste, na distante região de Urganplor. De físico são pequenos, alcançando no máximo 50 cm . Os gnomos possuem longos cabelos, que chegam facilmente a se arrastar no chão quando não são cortados. Os gnomos possuem pele cinza, e cabelos violetas, mas não raro, a cor do cabelo pode variar a azul ou vermelho, até mesmo branco, vivem cerca de 400 anos. Como raça são unidos, mas muito atrapalhados. São nômades, vagando em caravanas confusas, cheias de penduricalhos e remendos. A sociedade dos gnomos, é cheia de regras aparentemente inúteis, mas muito importantes na vida do gnomo. Entretanto são bons lapidadores, e a maioria das jóias mágicas que você encontrar em serão de fabricação gnômica. Os gnomos são materiais como o homem, e não seres etéreos como os duendes e elementais e são difíceis de ver por causa de seu tamanho e porque se afastaram de nossa espécie e vivem isolados. Portanto estão a alcance de livre-árbitro do homem. Os gnomos expressam seu afeto esfregando os narizes.Os gnomos têm um idioma próprio, te diews quer dizer muito obrigado, e slitzweitz boa noite.Quando confiam nos homens se tornam fiéis e grandes protetores. Existem vários tipos de gnomo, o gnomo da floresta, deserto, jardim, doméstico, da fazenda, e siberiano.
By: Espiritualidades

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Magia a preto e branco



Estes dois desenhos são um só, mas como só dá para digitalizar folhas A4 tive que o separar. Foi-me oferecido pela minha colega de trabalho. Sou professora de Educação Visual e Tecnológica e dou aulas juntamente com outra colega na mesma sala de aula.
O desenho é Muito Giro.
Obrigada Helena O.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Lily Allen - Alfie Video

Fada lilás - Benazir Hussein - A bela adormecida

Floresta das fadas

Se alguém conhece onde existe tal sítio por favor digam. Não se percebe bem a imagem mas deve ser encantador... :)

Parténope


Na mitologia grega, Parténope era uma sereia que teria fundado a cidade de Nápoles, na Itália. Parténope era também o nome antigo de Nápoles.
By: Wikipédia

domingo, 20 de janeiro de 2008

Ligeia


Na mitologia grega Ligeia (Doce Sonoridade), era uma das sereias, seres metade ave e metade mulher, filhas do deus-rio Achelous e da musa Terpsícore. As outras são: Pisinoe, Thelxiepia, Aglaope, Leucosia e Parthenope.
As sereias habitavam os rochedos entre a ilha de Capri e a costa da Itália. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam os tripulantes dos navios que passavam por ali para os navios colidirem com os rochedos e afundarem.
Odisseu, personagem da Odisséia de Homero, conseguiu salvar-se porque colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros e amarrou-se ao mastro de seu navio, para poder ouvi-las sem poder aproximar-se.
By: Wikipédia

Adriana Calcanhoto - Fico assim sem você

Vanessa da Mata Boa Sorte/ Good Luck - Clipe Original

sábado, 19 de janeiro de 2008

As quatro estações - Vivaldi

Thelxiepia


Na mitologia grega Thelxiepia (Cantora que enfeitiça), era uma das sereias, seres metade ave e metade mulher, filhas do deus-rio Achelous e da musa Terpsícore. As outras são: Pisinoe, Ligeia, Aglaope, Leucosia, Parthenope.
As sereias habitavam os rochedos entre a ilha de Capri e a costa da Itália. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam os tripulantes dos navios que passavam por ali para os navios colidirem com os rochedos e afundarem. Odisseu, personagem da Odisséia de Homero, conseguiu salvar-se porque colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros e amarrou-se ao mastro de seu navio, para poder ouvi-las sem poder aproximar-se.
By: Wikipédia

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Pisione


Na mitologia grega Pisinoe (Controladora de Mentes), era uma das sereias, seres metade ave e metade mulher, filhas do deus-rio Achelous e da musa Terpsícore.
As sereias habitavam os rochedos entre a ilha de Capri e a costa da Itália. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam os tripulantes dos navios que passavam por ali para os navios colidirem com os rochedos e afundarem. Odisseu, personagem da Odisséia de Homero, conseguiu salvar-se porque colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros e amarrou-se ao mastro de seu navio, para poder ouvi-las sem poder aproximar-se.
By: Wikipédia

Uma história de sereia

O verde mar não estava bravio. A paz reinava naquele oceano, pois o branco das ondas dava o tom de harmonia ali reinante.Ao longe, na risca, avistavam-se quatro mastros em cujas pontas estavam içadas as brancas velas de algodãozinho, confeccionadas a duas mãos calejadas dos bravos pescadores.Três jangadas singravam em direção à praia, onde todos aguardávamos ansiosos para comprarmos o peixe do almoço.A pescaria foi abundante. Havia pargos, cavalas, dentão, guaiúba, até uma moréia, a cobra do mar. Levávamos para casa uma embiricica de peixes.De repente, Zacarias, nosso contador de histórias, olhou para trás e percebeu que a última embarcação aproximava-se da praia muito vagarosamente. No semblante do contador, um olhar interrogativo. Deixamos nosso companheiro para trás, pois fôramos sorteados para prepararmos a peixada.Zacarias mirou bem aquela jangada e, pelo seu olhar binocular, percebeu que algo de anormal estava acontecendo dentro daquela pequenina embarcação.Naquele barco, dos seus tripulantes, que eram quatro, apenas três retornaram à praia, amarrados ao mastro da jangada.Zeca, um dos quatro, contou a seguinte história a Zacarias:- Descemos a âncora, a fim de que realizássemos nossa pescaria. Estávamos todos envolvidos com a pesca, no maior silêncio, quando ouvimos um canto suave, melodioso, que nos inebriava. Quando erguemos a vista, ao longe, avistamos uma linda mulher, de olhos azuis, cabelos de graúna, cantando e sorrindo para todos nós. Falei para meus companheiros:- Colegas, essa linda mulher é a sereia do mar. Vejam que, da cintura para baixo, é peixe. Vamo-nos amarrar ao mastro de nossa nau.Meus companheiros retrucaram:- Que tolice é essa, Zeca, sereia não existe! - Certa vez, colegas, li um livro sobre sereias que dizia: quando estas desejam enamorar um humano, cantam melodias que embevecem a alma de qualquer um. Somem com a criatura para as profundezas do mar. Para nos livrarmos desse encanto, somente nos amarrando ao mastro do barco. Ari, nosso companheiro, não acreditou. Enlevou-se pela beleza e suavidade da voz daquela mulher-peixe e desapareceu para sempre nas águas profundas do mar.Zacarias, nosso contador de histórias, ainda acrescentou: - na praia, encalharam algumas sereias que estão deixando os homens boquiabertos com tanta beleza, desfilando pela orla marítima.Corremos todos. Realmente, havia várias sereias de carne e osso. Quando a casa retornamos, Zacarias já havia deglutido a melhor parte da peixada.Como esse Zacarias é esperto!

By: Raimundo de Assis Holanda Holanda
Publicado no Recanto das Letras em 11/04/2007

sábado, 12 de janeiro de 2008

Sereias

Imagem by: Selina Fenech

Sereia, Sirene ou Sirena (do grego — Σειρῆνας) é um ser mitológico, parte mulher e parte peixe (ou pássaro, segundo vários escritores e poetas antigos). É provável que o mito tenha tido origem em relatos da existência de animais com características próximas daquela que, mais tarde foram classificados como sirénios.
Filhas do rio Achelous e da musa Terpsícore. Não confundir com Hárpias. Habitavam os rochedos entre a ilha de Capri e a costa da Itália. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam os tripulantes dos navios que passavam por ali para os navios colidirem com os rochedos e afundarem. Odisseu, personagem da Odisséia de Homero, conseguiu salvar-se porque colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros e amarrou-se ao mastro de seu navio, para poder ouvi-las sem poder aproximar-se. As Sereias representam na cultura contemporânea o sexo e a sensualidade.
Na Grécia Antiga, porém, os seres que atacaram Odisseu eram na verdade, retratados como sendo sirens, Mulheres que ofenderam a deusa Afrodite e foram viver numa ilha isolada.Se assemelham às harpias, mas possuem penas negras, uma linda voz e uma beleza única.

Algumas das sereias citadas na literatura clássica são:
Pisinoe (Controladora de Mentes),
Thelxiepia (Cantora que Enfeitiça),
Ligeia (Doce Sonoridade),
Aglaope,
Leucosia,
Parthenope.

Segundo a lenda, o único jeito de derrotar uma sereia ao cantar seria cantar melhor do que ela.
Em 1917, Franz Kafka escreveu o seguinte no conto O silêncio das sereias: "As sereias, porém, possuem uma arma ainda mais terrível do que seu canto: seu silêncio."
Texto by: Wikipédia

Selina Fenech


Duas imagens para aguçar o apetite :)

Aqui fica o link para a minha "artista plástica" de fadas e fantasia favorita...

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Pura Tradição


By: Sebatião Preto Carvão

By: Birra de Sono

Pura Tradição
Este é o nome da loja mais interessante da cidade de Penafiel. Quando lá passarem, parem e olhem a montra e deliciem-se tal como eu quando passo lá :). Penso que a loja não tem endereço de blog, mas aqui ficam algumas peças que lá se vendem...Fantásticas.

Pura Tradição
Rua Alfredo Pereira, 195
Penafiel

sábado, 5 de janeiro de 2008

Histórias para os mais pequeninos


Era Verão. Lia tinha estado a manhã toda a brincar no pomar dos avós. Pensou em tudo o que tinha feito: oito mergulhos na piscina, um passeio enorme de bicicleta, uma caça ao tesouro com os primos. Tinha comprado pão na padaria, leite na leitaria e enchido um cesto de framboesas. Bocejou. E se descansasse agora um pouco, apenas cinco minutos, debaixo da macieira? O sol estava a pique; as vespas zumbiam e dançavam por cima das rosas; as cigarras cantavam; as framboesas perfumavam o ar. Lia suspirou:− Quem me dera ficar aqui para sempre e não ter de voltar à cidade!
De repente, apercebeu-se de uma luzinha azulada por entre as suas pestanas. Pensou tratar-se de um pedacinho de céu que, sem querer, se tinha deslocado. Mas não. Havia um vestido e uma cara, dois bracinhos cor-de-rosa, duas perninhas e um par de sapatinhos azuis. Parecia uma borboleta, mas bem mais leve do que uma libelinha. Lia sentiu um sopro…− Bom dia, Lia – murmurou uma vozinha minúscula. − Sou a fada do pomar. Visito muitas vezes as crianças antes do meio-dia, quando o sol ainda não está muito forte. Consegues ver-me?Lia, surpreendida, atónita, admirada, acenou afirmativamente.− Vou levar-te a passear. Mas não me percas de vista!Lia apoiou-se nos cotovelos e levantou-se.− Despacha-te! Despacha-te! Só faltam dez minutos para o meio-dia. Queres que te apresente aos meus filhos?Lia esfregou os olhos e disse que sim com a cabeça. Tinha medo de que a fada desaparecesse se ela falasse. Seguiu a pequena forma azul que ia à sua frente.− Vê bem os dentes-de-leão, que voam com o vento quando lhes sopramos… E as papoilas. Quando estão de pernas para o ar parecem bonitas dançarinas com vestidos vermelhos.A fada do pomar ia mostrando à menina as margaridas, as petúnias, as rosas amarelas e as rosas vermelhas. Lia nunca tinha contemplado de tão perto o vestido de uma rosa, o recorte de uma folha.− Não são bonitos os meus filhos?A fadazinha esvoaçava, com as mãos cruzadas sobre o peito.− Agora vou apresentar-te os meus preferidos…E levou Lia até à horta, onde cresciam as cenouras, os tomates e os pepinos.− A primeira coisa a notar é o cheiro, que é mágico…Força, cheira!Lia curvou-se e cheirou, contra vontade, os pepinos, os tomates, as alfaces, a salsa, o tomilho, o loureiro, o rosmaninho…− Mas isto são só legumes − disse a menina, franzindo o nariz − e eu não gosto de legumes.A pequena fada ficou vermelha de cólera. A sua vozinha minúscula tremeu.− O que queres dizer com “só legumes”? Fui eu que os criei! São as mais belas criações de todo o universo, porque os colhemos das árvores ou da terra, e são bons para comer.Voltejando em torno de Lia, a fada continuou:− Ora cheira! Ali estão as ervilhas, dentro da sua casinha verde. Se trincares uma, ainda crua, vais ver a vida vestida de verde. E olha para os pepinos e para os melões. Têm uma água mágica dentro deles que ajuda a crescer. Sabias que as fadas bebem a água dos pepinos? − perguntou a fada do pomar a rir.E voou de novo, desta vez numa outra direcção.− E olha para o milho! Vê bem estas espigas douradas alimentadas pelo sol. Vou contar-te um segredo: o sal dos legumes é como o vento que vem do mar. O açúcar é como um pouco de sol. A sua água é como um riacho. Se misturarmos tudo, temos as mais belas criações da terra! É por isso que os frutos e os legumes curam tudo: constipações, amigdalites, tristezas. E ajudam a crescer.A visita tinha chegado ao fim. A fada do pomar repetiu:− Os frutos e os legumes foram todos feitos por mim e sinto-me muito orgulhosa deles.E trincou um tomate com gosto.− Sempre que vires um fruto ou legume, deves agradecer.− Não sabia que as fadas gostavam tanto de legumes − disse Lia, admirada. − Pensava que comiam bombons.A fadazinha do pomar desatou a rir.− Bombons! Mas isso seria impossível! Perderia toda a minha magia. Talvez quando os bombons crescerem nas árvores…De repente, parou de falar e levantou a cabeça.− O sol está quase a pique. Tenho de ir embora. Não te esqueças dos meus filhinhos…Lia viu-se de novo sob a macieira. Franzindo os olhos, tentou ainda encontrar a forma imprecisa e trémula da fada do pomar. Decidiu finalmente ir para casa, com o cesto cheio de framboesas. A avó estava a descascar feijão verde.− Sabes que tive um sonho formidável? − perguntou-lhe Lia. − Encontrei a fada do pomar.− Tiveste muita sorte − respondeu a avó. − Levou-te a ver o jardim e o pomar? − perguntou por sua vez.− Sim − respondeu Lia docemente. − Apresentou-me todos os legumes.Lia calou-se porque, de repente, a ideia de uma fada a trincar um tomate parecia-lhe bastante improvável… Depois do almoço, durante o qual obviamente devorou todos os legumes que havia na mesa, voltou ao pomar. Queria verificar uma coisa no canteiro dos tomates. Depois de muito procurar, acabou por ver o tomate meio comido pelos dentinhos da fada. Pegou nele com delicadeza e comeu o resto!
By: contadores.destorias

princes et princesses

Shakespeare The Animated Tales 07 - A Midsummer Night - 1/3

Little Buddha Music Video

Buddhist music

Para descontrair :)